Psicologia ClínicaPsicologia Educacional

SGS II: o papel fundamental do rastreio na primeira infância

A primeira infância, período que vai do nascimento até os 6 anos de idade, é considerada uma janela de oportunidades crucial para a saúde, a aprendizagem, o desenvolvimento e o bem-estar social e emocional das crianças. Estudos científicos têm demonstrado que as primeiras experiências vividas na infância, bem como intervenções e serviços de qualidade oferecidos neste período, estabelecem a base do desenvolvimento. Instrumentos de rastreio, como a Escala de Avaliação das Competências no Desenvolvimento Infantil (SGS II), que aqui abordaremos, têm-se revelado ferramentas essenciais e muito práticas.

O desenvolvimento neurológico normal tende a ocorrer de forma razoavelmente padronizada e a um ritmo equivalente (entre membros da mesma espécie) [veja a nossa tabela dos níveis desenvolvimentais dos 0 aos 6 anos]. Pequenos desvios a este padrão são bastante frequentes; desvios mais significativos ocorrem provavelmente com maior frequência do que seria de esperar. Todavia, se a causa é transitória e moderada, a tendência é para que o processo de desenvolvimento continue de acordo com o padrão normal. 

Existe uma grande plasticidade no desenvolvimento neurológico e cerebral na infância. Neste sentido, as anomalias e os desvios temporários, identificados precocemente, acabam por ser compensados e não costumam originar qualquer tipo de patologia clínica.

Assim, a avaliação, o rastreio ou o acompanhamento do desenvolvimento infantil não devem ser acontecimentos isolados. Pelo contrário, devem fazer parte de um processo mais vasto de gestão e de promoção da saúde da criança.

A Escala de Avaliação das Competências no Desenvolvimento Infantil (SGS II) é um instrumento de rastreio do desenvolvimento que pode ser utilizado em qualquer altura desde o nascimento, até aos 5 anos de idade. A utilização da SGS II permite obter rapidamente uma visão geral do estado de desenvolvimento da criança, incluindo áreas mais desenvolvidas e áreas onde, potencialmente, poderá existir um atraso ou que poderão necessitar de algum tipo de estimulação de modo a desenvolverem-se de acordo com os padrões ditos normais. 

Baseada nas sequências do STYCAR de Mary Sheridan, o nível de desenvolvimento é avaliado em 9 áreas de competências, organizadas em 6 domínios. Pode ainda ser extraído um resultado relativamente à área cognitiva, a partir de itens relevantes.

É um instrumento de aplicação relativamente rápida, que recorre a inúmeras atividades lúdicas com brinquedos apelativos (p.e., blocos, encaixes, boneca, pinos, etc.) que estimulam a criança a participar facilmente na avaliação. 

O rastreio do desenvolvimento infantil com a SGS II garante que todas as crianças são avaliadas de forma consistente e que apenas as que realmente necessitam são reencaminhadas para uma avaliação aprofundada. 

A segunda edição da adaptação portuguesa conta com itens revistos, materiais atualizados e estudo dos indicadores de fiabilidade e validade efetuados com uma amostra de crianças portuguesas. Estes estudos demonstram não só a utilidade da prova, como também a confiança que se pode ter na utilização das tabelas de normas inglesas.

Vantagens da SGS II 

 

Simplicidade: O Caderno de Registo pode ser utilizado para avaliar a mesma criança em 4 momentos diferentes, fornecendo, desta forma, uma visão rápida e de fácil compreensão sobre o seu progresso ao longo do tempo. A representação gráfica dos resultados na Folha de Perfil facilita a comunicação com os pais (ou outros cuidadores) e com outros profissionais (em caso de encaminhamento), permitindo visualizar quais as forças da criança e áreas em que, eventualmente, poderão existir atrasos. 

 

Utilização Universal: A SGS II pode ser utilizada como ferramenta universal de rastreio do desenvolvimento, permitindo que todas as crianças possam ser avaliadas de forma consistente e rápida, sem deixar passar aspetos que, por vezes, podem passar despercebidos numa consulta de rotina. 

 

Validade e fiabilidade: Os estudos de validade conduzidos com a versão original inglesa da SGS II mostram que se trata de um instrumento que cumpre plenamente os objetivos a que se propõe. Adicionalmente, os estudos conduzidos com a tradução portuguesa da SGS II revelam índices de fiabilidade elevados e que os dados normativos ingleses podem ser utilizados com segurança na avaliação de crianças portuguesas.

Kit Inicial (inclui Manual técnico, Manual do Utilizador, Kit de materiais estandardizados, Caderno de Gravuras, 100 Folhas de perfil e 25 Cadernos de registo)
SGS II SGS II: Escala de Avaliação das Competências no Desenvolvimento Infantil por M. Bellman, S. Lingam, A. Aukett

 

 

 

 

Bibliografia:

  • Hogrefe (2020). Manual Técnico da Escala de Avaliação das Competências no Desenvolvimento Infantil;

  • Hogrefe (2020). Manual do Utilizador da Escala de Avaliação das Competências no Desenvolvimento Infantil;

  • www.unicef.pt

Psychologist – Training & Marketing

Ana Cartaxo

Contactos